terça-feira, 20 de março de 2018

sexta-feira, 16 de março de 2018

Fwd: Reforma do Estatuto

Amigos associados da AOPM, compareçam à reunião Dia 4 de abril próximo

Em terça-feira, 13 de março de 2018 22:39:46 UTC-3, lcroberto escreveu:






 

Senhores e Senhoras


A AOPM tem um Estatuto que precisa ser alterado porque guarda problemas que desaguam na sua governança. Agrava mais o cenário, a dissonância, em vários pontos, com o Regimento Interno: justamente o instrumento que o operacionaliza.

Esse descompasso, essa bagunça normativa, oferece brechas para decisões fundadas em entendimentos personalistas. Isso não é bom sob qualquer tipo de análise.

Dia 4 de abril próximo, o Conselho Deliberativo começará a tratar da reforma dos dois institutos. Seria muito conveniente que, além dos Conselheiros, os sócios em geral, os maiores interessados na saúde e na transparência administrativas da Entidade, participassem ativamente das discussões, inclusive, oferecendo propostas.

Lembrem-se: a AOPM está no DNA da Oficialidade, é a NOSSA Associação, o NOSSO Clube.


Cel PM Luiz Carlos Roberto

Vice Pres. Administrativo


domingo, 11 de março de 2018

TÊRMO CIRCUNSTANCIADO - DECISÃO DO SUPREMO DÁ VALIDADE



Em 11 de março de 2018 08:20, C i a p i n a <ciapina.gbb@gmail.com> escreveu:
RECURSO EXTRAORDINÁRIO 1.050.631 SERGIPE
RELATOR : MIN. GILMAR MENDES
RECTE.(S) :JOILSON JOSE DOS SANTOS
PROC.(A/S)(ES) :DEFENSOR PÚBLICO-GERAL DO ESTADO DE

SERGIPE

RECDO.(A/S) :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SERGIPE
PROC.(A/S)(ES) :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE

SERGIPE

DECISÃO: Trata-se recurso extraordinário interposto em face de
acórdão da Turma Recursal do Estado de Sergipe da Comarca de Aracaju,
ementado nos seguintes termos:

"APELAÇÃO CRIMINAL. DIREITO
CONSTITUCIONAL E PROCESSUAL PENAL. TERMO DE
OCORRÊNCIA CIRCUNSTANCIADO. ART. 69 DA LEI
9.099/95. LAVRATURA PELA POLÍCIA MILITAR.
INEXISTÊNCIA DE NULIDADE. ATO REALIZADO

CONFORME PROVIMENTO 06/2015 DA CORREGEDORIA-
GERAL DE JUSTIÇA. COMPATIBILIDADE COM OS

PRINCÍPIOS DA INFORMALIDADE E CELERIDADE QUE
REGEM O MICROSSISTEMA DOS JUIZADOS ESPECIAIS
CRIMINAIS. INTELIGÊNCIA DO ART. 2o DA LEI 9.099/95.
BAIXA COMPLEXIDADE DA PEÇA. ATO DE
INVESTIGAÇÃO NÃO CONFIGURADO. AUSÊNCIA DE
INVASÃO DA COMPETÊNCIA DA POLÍCIA CIVIL. DECISÃO
REFORMADA. RECURSO DA ACUSAÇÃO CONHECIDO E
PROVIDO". (eDOC 1, p. 95-96)

No recurso extraordinário, interposto com fundamento no art. 102,
III, a, da Constituição Federal, aponta-se violação ao art. 144, §§ 4o e 5o, do
texto constitucional.
Nas razões recursais, alega-se que a interpretação dada pela Turma
Recursal ao art. 69 da Lei 9.099/1995, no sentido de reconhecer válido
Termo de Ocorrência Circunstanciado lavrado pela Polícia Militar, viola o
art. 144 da CF, uma vez que seria competência exclusiva das polícias

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 13671568.

RE 1050631 / SE
federal e civil, "o dever de promover atos investigatórios, inerentes a atividade
de polícia judiciária". (eDOC 1, p. 115)
Aduz-se que "não compete ao policial militar lavrar termo
circunstanciado de ocorrência, isso porque o TCO é um procedimento
administrativo que dá início a persecução penal, fase investigatória, sendo,
portanto, atividade de competência da polícia judiciária, isto é, a polícia civil".
(eDOC 1, p. 115)
É o relatório.
Decido.
O recurso não merece prosperar.
O Tribunal de origem, ao examinar a legislação local e
infraconstitucional aplicável à espécie – Provimento 6/15 da
Corregedoria-Geral do TJSE; Consolidação Normativa Judicial da
Corregedoria Geral de Justiça do TJSE, Decreto-Lei 3.688/41, e Lei
9.099/95 –, consignou que, em função do procedimento sumaríssimo
adotado pela Lei 9.099/95, pautado pelos critérios da informalidade,
economia processual e celeridade, houve a substituição do auto de prisão
em flagrante e do inquérito policial pela lavratura de termo
circunstanciado, quando da notícia de realização de infração de menor
potencial ofensivo. Nesse sentido, extrai-se o seguinte trecho do acórdão
impugnado:

"Cinge-se a questão recursal na possibilidade ou não da
Polícia Militar lavrar Termo de Ocorrência Circunstanciado.
A Lei dos Juizados Especiais Criminais (Lei no 9.099/95)
previu, em seu art. 69, que a autoridade policial que tomar
conhecimento da ocorrência lavrará termo circunstanciado e o
encaminhará imediatamente ao Juizado, com o autor do fato e a
vítima, providenciando-se as requisições dos exames periciais
necessários.
Portanto, no âmbito do Juizado Especial Criminal, há
dispensa de instauração de Inquérito Policial, conforme leciona
doutrina especializada:
'O inquérito policial, portanto, se vê substituído pela
elaboração de um relatório sumário, contendo a identificação
2

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 13671568.

RE 1050631 / SE

das partes envolvidas, a menção à infração praticada, bem
como todos os dados básicos e fundamentais que possibilitem a
perfeita individualização dos fatos, a indicação das provas, com
o rol de testemunhas, quando houver, e, se possível, um croqui,
na hipótese de acidente de trânsito. Tal documento é
denominado termo circunstanciado.' - Manual de Direito
Processual Penal, Renato Brasileiro, 2014, p. 1377.
Nesse contexto, observa-se que o Termo de Ocorrência
Circunstanciado é uma peça de informação diversa do
Inquérito Policial, de natureza não investigativa, mas
assemelhada a notitia criminis, a qual poderia ser realizada por
qualquer pessoa do povo após o conhecimento da prática de
uma infração penal, nos termos do art. 5o, § 3o, do CPP.
Dentro de uma interpretação sistemática do Microssistema
dos Juizados Especiais, especialmente em decorrência da
informalidade e celeridade que norteiam o procedimento
sumaríssimo, inexiste nulidade nos Termos de Ocorrência
Circunstanciados quando lavrados pela Polícia Militar.
Isso porque, entendo que o termo 'Autoridade Policial'
mencionado pelo art. 69 da Lei 9.099/95 não se restringe à
polícia judiciária, mas aos órgãos em geral de Segurança
Pública, já que o Termo de Ocorrência Circunstanciado não
possui caráter investigatório". (eDOC 1, p. 97)

Assim, verifica-se que a matéria debatida pelo Tribunal de origem
restringe-se ao âmbito da legislação local, de modo que a ofensa à
Constituição, se existente, seria reflexa ou indireta, o que inviabiliza o
processamento do presente recurso. Nesses termos, incide no caso a
Súmula 280 do Supremo Tribunal Federal.
Esta Corte, por algumas vezes, já se debruçou sobre a questão posta,
cito como exemplo o RE 979.730/SC, de minha relatoria, DJe 5.8.2016, no
qual, assim como nos presentes autos, questionava-se a legalidade e até a
constitucionalidade da interpretação dada ao art. 69 da Lei 9.999/1995, em
face do mesmo art. 144 da CF.
Da mesma forma, na presente ação, tem-se questionado o

3

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 13671568.

RE 1050631 / SE
Provimento 6/15 da Corregedoria-Geral do TJSE e a Consolidação
Normativa Judicial da Corregedoria Geral de Justiça do TJSE, que
procuraram disciplinar o recebimento de Termo Circunstanciado de
Ocorrência lavrado pela Polícia Civil ou Militar, no âmbito das unidades
jurisdicionais com competência para infrações de menor potencial
ofensivo.
Transcrevo trecho da decisão que proferi no precedente mencionado:
"Inicialmente, sem olvidar a existência da ADI 3.982/SC,
que discute a constitucionalidade do Decreto Estadual no
660/2007 (Estabelece diretriz para a integração dos
procedimentos a serem adotados pelos órgãos da segurança
pública, na lavratura do Termo circunstanciado, conforme
previsto no art. 69 da Lei Federal no 9.099, de 26 de setembro de
1995), a eficácia do referido decreto não se encontra
obstaculizada, pois inexistente provimento judicial cautelar de
natureza suspensiva, amparado por esta Corte Suprema, em
sede de controle abstrato.
Sendo assim, considerando a plena eficácia e vigência da
norma em questão, forçoso concluir que a instância a quo, ao
decidir a lide, ateve-se ao exame da legislação
infraconstitucional, in casu, art. 69 da Lei no 9.099/1995 c/c artigo
1o do Decreto Estadual no 660/2007.
Desse modo, verifica-se que a matéria debatida nas
instâncias precedentes restringe-se ao âmbito
infraconstitucional, de modo que a ofensa à Constituição, se
existente, seria reflexa ou indireta, o que inviabiliza o
processamento do presente recurso.
É uníssona a jurisprudência desta Corte no sentido de que
o recurso extraordinário não se presta a analisar legislação
infraconstitucional. Nesse sentido cito os seguintes precedentes
sobre o tema em debate: ARE 938.095, Rel. Min. Edson Fachin,
DJe 02.02.2016, e o ARE 899.001, Rel. Min. Roberto Barroso, DJe
02.09.2015.
Ante o exposto, nego seguimento ao recurso (art. 21, § 1o,
do RISTF)". (RE 979.730/SC)

4

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 13671568.

RE 1050631 / SE
Registro por oportuno que, na Reclamação 6612/SE, Rel. Min.
Cármen Lúcia, DJe 6.3.2009, esta Corte especificamente analisou a mesma
matéria que agora se apresenta, com a diferença de que, na reclamação
mencionada, o dispositivo questionado era o Provimento 13/2008, da
Corregedoria-Geral de Justiça do Estado de Sergipe, que: "dispõe sobre o
recebimento de Termo de Ocorrência Circunstanciado lavrado pela Polícia
Militar, no âmbito dos Juizados Especiais Criminais do Estado de Sergipe e dá
outras providências".
Transcrevo trecho da decisão da Min. Cármen, na referida
reclamação:

"Cumpre ainda que se divise, no entanto, se o ato de
lavrar um termo circunstanciado se limita à formalização de um
relato devido por praça que atenda a um chamado do cidadão,
ou se se dá em um ato mais elaborado, a 'tomar lugar jurídico de
delegado de polícia', envolvendo um juízo jurídico de avaliação
(técnica), como mesmo reconhecido pelo Ministro Cezar Peluso
em seu voto na Ação Direta da Inconstitucionalidade no
3.614/PR. Na mesma assentada consta o registro do Ministro
Gilmar Mendes (vencido na ocasião), remetendo-se ao voto do
Ministro Celso de Melo, em que destaca algo que para o caso
agora apreciado muito interessa:

'(...)
Por outro lado, a própria expressão 'termo
circunstanciado' remete, como agora destacado pelo
Ministro Celso de Melo, à Lei n. 9.099, que, na verdade,
não é função primacial da autoridade policial civil. A
doutrina registra que essa é uma função que pode ser
exercida por qualquer autoridade policial.
(...)"

Em caso idêntico por mim já julgado, RE 1.051.393/SE, DJe 1o.8.2017,
transitado em julgado em 13.9.2017, destaco do parecer ofertado pela
PGR o seguinte trecho:

5

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 13671568.

RE 1050631 / SE

"28. A interpretação restritiva que o recorrente quer
conferir ao termo 'autoridade policial', que consta do art. 69 da
Lei no 9.099/95, não se compatibiliza com o art. 144 da
Constituição Federal, que não faz essa distinção. Pela norma
constitucional, todos os agentes que integram os órgãos de
segurança pública – polícia federal, polícia rodoviária federal,
polícia ferroviária federal, policias civis, polícia militares e
corpos de bombeiros militares –, cada um na sua área específica
de atuação, são autoridades policiais".

Assim, o entendimento adotado pela Turma Recursal do Estado de
Sergipe da Comarca de Aracaju não diverge do entendimento desta
Corte.
Ante o exposto, nego seguimento ao recurso (art. 21, § 1o, do RISTF).
Publique-se.
Brasília, 22 de setembro de 2017.

Ministro GILMAR MENDES

Relator

Documento assinado digitalmente

6

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 13671568.


-- 


--

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

S/PREVIDÊNCIA


Caro Marzola


Confesso não ter prática na elaboração de uma declaração retificadora.

Penso que talvez um contador com especialização em imposto de renda poderá auxiliá-lo, e assim evitar novos eventuais equívocos.

Nada melhor, penso eu, do que recorrer a quem tem conhecimento e experiência em determinadas áreas para se poupar de aborrecimentos futuros.

Bom final de semana.

                                              Güido

ps: QUANTO À CARTA À CAMARA DO DEPUTADOS, PENSO SER UMA MEDIDA QUE TODOS DEVERÍAMOS SEGUIR PARA QUE OS DITOS REPRESENTANTES DO POVO NÃO VENHAM ALEGAR DESCONHECIMENTO DOS ANSEIOS DA COMUNIDADE.

Em Qui 01/02/18 22:00, Rosenfeldo Marzola rosenfeldomarzola@gmail.com escreveu:

OLÁ IRMÃO GUIDO, ABRINDO A DECLARAÇÃO 2014/2013, NOTEI QUE O ERRO PODE SER QUE, AO INVÉS DE LANÇAR R$ 28.588,I5, na "Contribuição Previdenciária Oficial, LANCEI NO ITEM" :" Contribuição Previdência Oficial e Funpre"( não sei o que é isto!). Para corrigir, tenho que fazer uma declaração retificadora daquele ano 2014-Exercício, ou você pode fazê-la por mim? Aguardo suas Doutas orientações! Abração! 
                                                                                               MARZOLA
O texto abaixo foi enviado, hoje, ao CNJ, ouvidoria do MD, da, Câmara dos Deputados, etc. Vamos ver o que acontece! Lixo!
                            -   EXMO. SENHOR MINISTRO –

                             RESPEITOSAMENTE!

1.Tomo a liberdade de enviar esta mensagem a V.Exa. numa tentativa de ajudar o nosso Querido  Michel Temer, a resolver o atual e maior PROBLEMA da história do Brasil, que É ASSASSINATOS DE PESSOAS INOCENTES, MORMENTE DE POLICIAIS.
2. A nossa Carta Magna está ultrapassada, devido ao momento em que foi elaborada, mas, agora, ela tornou-se Mãe dos Bandidos, que aumentam hora a hora!
3.De nada adianta, como sabe V.Exa., aumento de penas, Crimes Hediondos, Prisão Perpétua ( salvo a de morte), pois nada intimida mais os bandidos, que parece que estão sendo pagos para  colocar o pais numa guerrilha urbana, com o objetivo de  implantar-se  aqui, o nocivo regime COMUNISTA.
4.No "fundo do poço", vemos um meio para resolver, pelo menos, 50% da CRIMINALIDADE, sem mexer na nossa CF:
  - O criminoso que matar pessoas inocentes ou POLICIAIS, ou seus familiares, deverá cumprir a pena em regime de isolamento total e sem mordomias ( tv.celular,saidinhas, salários, tomar sol, visitas, intimas, etc.), numa CELA POR UM ANO, no mínimo por UM ANO, de três metros quadrados, sem nada em seu interior ( exceto vaso sanitário. Isto seria uma pena de morte legal, para muitos. Depois ele cumpriria o restante da pena, junto com os demais presidiários, logicamente, ele irá contar o sofrimento que passou na cela, o que serve de desestímulo à permanência na CRIMINALIDADE.
                                    PAZ E AMOR!
 Rosenfeldo Marzola-Cel. PM/SP.-inativo -88 anos de idade
  11-2924-1483 – rosenfeldomarzola@gmail.com
          
                                ANO 2018-DC


Em 1 de fevereiro de 2018 15:42, <guidomoraes@terra.com.br> escreveu:

MARZOLA


Pode ser que a Receita Federal tenha constatado que a SPPREV. descontou a maior a título de contribuição previdenciária.

Se for isso, sugiro que vc encaminhe para a Receita Cópia da procuração dada exatamente para que pudéssemos questionar na justiça o descumprimento da Constituição Federal no ponto (artigo 40 §21 CF/88).

Além da procuração, o companheiro poderia lhes encaminhar cópia da resposta dada pela SPPREV. ao seu requerimento sobre o assunto.

Caso vc não disponha de cópia desses documentos no seu arquivo pessoal (procuração e da resposta da SPPPREV), me avise que os enviarei.

Boa semana.

                                                          Güido - Assis (SP)

Em Qui 01/02/18 12:09, Rosenfeldo Marzola rosenfeldomarzola@gmail.com escreveu:

OLÁ DR GUIDO - ESPERO QUE ESTEJA BEM DE TUDO! EM RESPOSTA  A PEDIDO DE DEVOLUÇÃO A MAIOR DO DES. S/O 13. SAL, A RF ACUSOU POSSÍVEL IRREGULARIDADE SOBRE A PREVIDÊNCIA. VER ABAIXO. SERÁ DE SEU INTERESSE?  ABRAÇÃO - MARZOLA

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

teoria marzoliniana

O QUERIDO AMIGO CIAPINA, SE FOR DE SUA VONTADE, QUEIRA REPASSAR ESTA IMPORTANTE DESCOBERTA POR, NÓS,ATRAVÉS DOS LONGOS ANOS. ABRAÇÃO - MARZOLA

Importante.

Prezado(a) senhor(a) R0SENFELDO MARZOLA,


CARO CIAPINA, SERÁ QUE VOCÊ VAI RECEBER ESTA? VAMOS TENTAR! ABRAÇÃO. MARZOLA 

Em atenção ao pedido de informação registrado no formulário do Fale Conosco disponível no Portal da Anvisa, em 30/12/2017, às 14:18,  o número de protocolo gerado é: 2017915961
Descrição do pedido:

EXMO.SR. DIREITOR DA ANVISA, TENHO ALGO MUITO ESPECIAL PARA A SUA DOUTA CIÊNCIA: AO QUE DEMONSTRA, HOJE, OS REMÉDIOS JÁ NÃO PRODUZEM OS EFEITOS DESEJADOS PELOS MÉDICOS E DOENTES. A MORTE DE MUITAS PESSOAS PODE SER CAUSADA PELO QUE AQUI VOU DIZER, SM.J.: IMAGINE, FUI CASADO COM A DOUTA FARMACÊUTICA Maria Ignez Morena Marzola E ELA ERA RESPONSÁVEL PELA ANÁLISE DOS REMÉDIOS APREENDIDOS PELO, ENTÃO SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DA MEDICINA, EM SÃO PAULO, CUJA REPARTIÇÃO SITA NO INSTITUTO ADOLFO LUTZ, SP. ELA SEMPRE ME DIZIA QUE OS REMÉDIOS QUE ELA ANALISAVA NÃO CONTINHAM OS PRÍNCIÍPIOS ATIVOS ( CITADOS NA BULA), SE CONTINHAM ERA DE BAIXA QUALIDADE E DE BAIXA QUANTIDADE., ASSIM SENDO ELA CONDENAVA. OS LABORÁTORIOS ENTRAVAM COM ADVOGADO, E A CULPADA ERA SEMPRE ELA. DURANTE 30 ANOS DE ANÁLISE NUNCA APROVOU UM REMÉDIO, SALVO O FEITO PELO LABORATÓRIO DA PM/SP. , QUE LHE DAVA NOTA 10. SE O SENHOR QUISER UMA PROVA DA FALSIDADE DE ALGUNS REMÉDIOS FAÇA COMO FAZIA O SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO. DA MEDICINA, EM SÃO PAULO: O MÉDICO PEGAVA ALGUNS REMÉDIOS NA FARMÁCIA OU DROGARIA E ELES ERAM ENVIADOS PARA ANÁLISE. VEJA: ESTAS COISAS ACONTECIAM ANTIGAMENTE ( HOJE, IMAGINE O PIOR). ESTOU SOFRENDO DE URTICÁRIA E JÁ ME FORAM RECEITADOS UMA INFINIDADE DE ANTI-ESTAMINICOS, NADA DE MELHORA, AS POMADAS NEM ALÍVIO TRAZEM. SÓ ESPERANDO PELA MORTE, QUE CURA! PARA AS SUAS ACERTADAS MEDIDAS E FINS. VAMOS AJUDAR O NOBRE PRES. TEMER A ENDIREITAR ESTE SUNTUOSO BRASIL. ATENCIOSAMENTE CEL.PM/SP- INATIVO, COM 88 ANOS DE IDADE.

                          

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

*+*+ COMPARAÇÃO DE ASSASSINATOS DE POLICIAIS MILITARES, NO ESTADO DE SÃO PAULO, EM 1999 E 2017


Assunto: *+*+ COMPARAÇÃO DE ASSASSINATOS DE POLICIAIS MILITARES, NO ESTADO DE SÃO PAULO, EM 1999 E 2017
: Nilson Giraldi <giraldi2@uol.com.br>


                Prezados (as) policiais militares dos (as) quais possuo e-mail

            1. Março de 2.000: Editorial do "Estadão": TRISTE RECORD – Dos 318 policiais militares mortos o ano passado (1.999), no Estado de São Paulo, 44 estavam em serviço; 274 nas horas de folga. (ver anexo)
            1.1. E, entre outras coisas o editorial destaca:
1.1.1. "Neste mês de janeiro (2.000), a cada dia, pelo menos um policial militar perde a vida em São Paulo";
1.1.2."Há algo muito errado no tratamento que se dá a esses homens que garantem a segurança da sociedade. Não nos referimos apenas aos seus salários (que são pífios), mas ao treinamento que se oferece eles; às táticas empregadas na condução dos trabalhos, e a própria conscientização de como devem se conduzir em situações normais e de perigo. Tudo isso precisa ser reavaliado"
1.1.3. "É correta a preocupação do Estado em equipar melhor os policiais militares, mas isso pouco adianta se não se treinar devidamente o policial militar para que ele saiba utilizar adequadamente esses equipamentos";
2. E, logo em seguida, a PMESP, por meio do seu Comando, principalmente do então Diretor de Ensino (Cel Petinatto), com nosso total assessoramento, gratuito, que dura até os dias atuais, deu início aos cursos e treinamentos regulares e regulamentares do "Tiro Defensivo na Preservação da Vida - Método Giraldi®" para toda a tropa;
3. Consequências: Dezembro de 2017: Destaque do "Estadão" em reportagem sobre assassinatos de policiais militares no Estado de São Paulo: "Neste ano (2017), dos 43 PMs assassinados no Estado de São Paulo, só 3 foram mortos durante o serviço".
3.1. Portanto, uma redução de 44 policiais militares assassinados, em serviço, em 1.999, para 3 em 2017 (todos executados; não tiveram tempo sequer de sacar suas armas);
3.2. E de 274 policiais militares assassinados, nas horas de folga, em 1.999, para 40 em 2.017; com tendência a diminuir (pois ainda é um absurdo), principalmente com a continuidade da aplicação do capítulo do "Método Giraldi"® denominado "O Policial Militar e sua segurança pessoal" destinado aos policiais militares da ativa e inativos em todas as circunstâncias;
3.3. Esclareço que nesse período os confrontos armados triplicaram; os agressores se tornaram mais bem armados, organizados, audaciosos e agressivos;
3.3.1. E, durante esse período, nenhum policial militar que aplicou o "Método Giraldi"® foi punido ou condenado pelas suas consequências, mesmo quando o agressor foi a óbito;
4. Conclusão: "Treinamento não é gasto; treinamento é investimento". "Uma polícia é consequência do seu treinamento". "O policial militar aprende aquilo que vive no treinamento, e não o que vê e o que ouve, mas o que faz". (Giraldi)
4.1. Quanto vale uma vida preservada? Não tem preço! Quanto vale centenas de vidas preservadas? Impossível calcular!
5. Mas todo esse sucesso se deve aos professores do "Método Giraldi"® e a quem lhes deu e dá apoio como vocês;  a todos aqueles que, de uma ou de outra forma, uniram seus esforços para atingir esses objetivos; objetivos que representam apenas batalhas vencidas, mas não a guerra que, para a Polícia Militar, é eterna... 
5.1. "Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos" (Giraldi);
5.2. Feliz Natal e Próspero Ano Novo para todos (as) repleto de realizações. 
Abração.
Giraldi – Cel PM – "63 anos de estrada combatendo o bom combate; mas ainda na corrida, e mantendo a fé".
Há anexo.






--

Livre de vírus. www.avast.com.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

CBB Ninho de Águias: Funeral de alguém que jurou dar a própria vida

CBB Ninho de Águias: Funeral de alguém que jurou dar a própria vida: Se a cada PM morto no cumprimento do dever, o Comando viesse a adotar tal atitude, com as honras devidas, funeral e procissão de parar o t...

Funeral de alguém que jurou dar a própria vida

Se a cada PM morto no cumprimento do dever, o Comando viesse a adotar tal atitude, com as honras devidas, funeral e procissão de parar o trânsito, aí o povo nos iria enxergar com outros olhos..E o Governo também.

Boa Tarde Senhores

Em face do abaixo tratado isto poderia ser levado ao Cmt Geral para estudos e implantação no Regulamento de Continência ou outro tipo de norma a respeito e nos fazermos presentes para que a sociedade nos enxergue, pois somos invisíveis.

França

Asp 81



Funeral de alguém que jurou dar a própria vida
Para reflexão:
Segundo o Estadão de ontem, um PM é morto a cada cinco dias em SP. É um número altíssimo que não pode ser ignorado. Mas é!
Frequentemente, colegas lamentam aqui a indiferença governamental sobre a vitimização de policiais. É assunto para ser estudado.
Recentemente, em 11 de novembro, em Rockford (uma cidade americana perto de Chicago) ocorreu o funeral de um policial morto em serviço.
Dentre as muitas reportagens que trataram da matéria, o canal de TV 23, no telejornal, deu quase 12 minutos sobre o funeral e o féretro (que eles chamam de procissão).
No link a seguir está o telejornal. O repórter que está na porta da igreja, de onde sairia o féretro, traça um longo perfil do policial, cita palavras de amigos, diz o quanto era querido, menciona até que ele tinha um cachorro. No meio de sua fala, o repórter chora.
Saturday, 11 November 2017 Thousands pack in at First Free Rockford Church ahead of the police fцпerаl for fallen Officer Jaimie Cox. 11 November 2017 11/11/...

Neste outro link, há um trecho do féretro, que durou mais de 1 hora, apesar de a igreja ser relativamente próxima do cemitério. É que o trajeto foi modificado, para que o féretro passasse por toda a cidade, pela Prefeitura e por distritos policiais no centro, e o elevado número de veículos policiais que acompanharam a "procissão" (segundo o canal de TV, foram 600 viaturas). Rockford tem menos de 200 mil habitantes e no vídeo se vê que há variado tipos de viaturas e variadas padronizações. É que muitos departamentos de polícia de outras cidades compareceram para honrar o companheiro tombado em serviço.
Recorded by DU Recorder – Screen recorder for Android

Quando estava na ativa, mesmo tendo participado do sepultamento de companheiros, nunca parei para pensar no assunto. Mas, agora, que o número está altíssimo e vendo o exemplo de outro país, acho que já passou da hora da PM ter um cerimonial para funeral, féretro e sepultamento de companheiros, que valorize o sacrifício daquela vida que se foi.
Só assim, poderemos iniciar um movimento social capaz de valorizar a vida dos policiais, sensibilizar governos e até fazer repórteres chorar. Se a Corporação não valoriza como convém, porque a sociedade iria valorizar?
(Se você der uma volta na internet, verá que o cerimonial de Rockford é comum a todas as ocasiões de féretro de policiais, em todas as cidades americanas).

sábado, 25 de novembro de 2017

NOME COMPLETO DO NOSSO SAUDOSO IRMÃO WLADIMIR...

AMADOS  IRMÃOS  DO  BANDÃO :

-AGRADEÇO   DE  CORAÇÃO  O  APOIO  DE  VCs   NO  SENTIDO  
DE  ATENDER  AO  MEU  PEDIDO...

-QUANTO  AO  MOTIVO,  QUERO  LHES  INFORMAR  QUE "ANDEI"  
SONHANDO  COM  ELE  VARIAS  VEZES   DURANTE  O  MÊS  DE  
OUTUBRO...CONSEQUENTEMENTE,   ME  SENTI   NO  DEVER  DE
COLOCAR  SEU  NOME  EM  LOCAL  PRÓPRIO  DA  MINHA  IGREJA
PARA  OFERECER  ORAÇÕES  PARA  SEU "CONFORTO  ESPIRITUAL"...


GRÉGIO - BANDÃO  70 -  COM  MUITO  ORGULHO.